Notícias

Cartão pré-pago prepara filhos para vida financeira

por Notícias às 09:24 de 25/07/2016 em Mercado de Cartões

Fonte: DCI

Cartão pré-pago auxilia pais a educar os filhos para a vida financeira Em tempos de encolhimento da renda familiar, o cartão pré-pago se destaca como uma forma de educação financeira para os filhos. Mas os pais precisam primeiro educar financeiramente as crianças com cédulas e moedas para depois utilizar o cartão, alerta o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli.

Com a modalidade, os pais podem controlar e orientar os gastos dos jovens, incentivando a poupança, principalmente neste momento de crise no País Cartão pré-pago prepara filhos para vida financeira.

PLANEJAMENTO Mas, pode-se dizer que sua utilização se torna bastante prática e segura para adolescentes a partir dos 14, 15 anos”.

Preparação: O educador financeiro do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), José Vignoli, explicou que para capacitar uma criança a usar o cartão, o primeiro passo é educá-la financeiramente desde cedo, o que deve acontecer com a manipulação das cédulas e moedas. “Os pais devem tomar cuidado porque a criança não tem a percepção do que é esse papel ate certa idade, por isso é válido lidar com o dinheiro em espécie para que ela possa guardá-lo em um envelope ou em um cofrinho e, desta forma, para entender que depois, esse valor será trocado por um brinquedo novo", explicou.

Francisco Prisco Neto, conselheiro e economista do Conselho Regional de Economia (Corecon) ainda destacou que a vida financeira dos pais serve como exemplo para os filhos. Vignoli comentou ainda que o limite do cartão de crédito deve ser baixo, mas ressaltou que não vê necessidade em dar essa modalidade, pois ele já é inimigo, no controle de gastos.

Em tempos de crise e queda na renda das famílias brasileiras, o cartão pré-pago se destaca como uma forma de educação financeira para os filhos, de acordo com especialistas entrevistados pelo DCI.

Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a renda média das pessoas empregadas caiu para R$ 1. 982 no trimestre encerrado em maio deste ano, em relação a igual período de 2015 (R$2.037). Por outro lado, por causa da segurança, o uso dos cartões como forma de pagamento cresce entre os brasileiros.

No primeiro trimestre de 2016 o número de transações de débito e crédito no País atingiu 2,9 bilhões ante 2,6 bilhões no mesmo período de 2015, registrando crescimento de 9,3%, de acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs).

Ainda segundo a instituição, em junho deste ano a representatividade de jovens de 18 a 24 anos entre os brasileiros que possuem cartão de crédito é de 17%. Em março, a participação era de 16%. "O mercado de cartões tem crescido e penetrado em vários segmentos e em todas as classes sociais, o que também se reflete entre os jovens”, pontuou Ricardo de Barros Vieira, diretor executivo da Abecs. Com a expansão da modernização dos meios de pagamento, as famílias têm optado por conceder cartões aos filhos e a modalidade pré-paga tem cumprido bem o papel de transmitir conceitos de educação financeira para os jovens e para as crianças, principalmente cm meio à recessão.

A operação do cartão pré-pago é simples. Ele funciona como uma mesada e a recarga pode ser feita por transferência ou depósito. Com isso, os jovens aprendem que não podem gastar mais do que o limite estipulado previamente pelos pais. Além de trazer mais segurança e praticidade no seu manuseio, outra vantagem do pré-pago é o acompanhamento dos gastos pela internet, fatura do cartão ou até, com uma notificação por mensagem de celular (SMS).

“Poder acompanhar o comportamento do seu filho em relação a seus gastos definitivamente é a maior vantagem do cartão. Assim, evita-se faturas exorbitantes no final do mês e os gastos não previstos", afirmou Ezcquicl Archipretre, CEO da ContaSuper do banco Santander.

Com esses instrumentos de controle, os pais conseguem orientar o filho a fazer as melhores escolhas e até a desenvolver o conceito de poupança, com a prioridade nos gastos para estimular os jovens a ‘esticarem’ ao máximo o dinheiro. Sobre os cuidados, Fernanda Francisco, coordenadora de comunicação corporativa da Visa do Brasil, pontuou que os pais devem orientar os filhos em sua utilização, como não emprestá-lo a ninguém e zelar pela segurança da sua senha. A entrevistada ainda ressaltou que não são apenas os filhos que precisam tomar cuidado.

Mesmo com uma modalidade que restringe os gastos, os pais precisam ser firmes e não podem recarregar o cartão sem critério, mas, sim, com periodicidade estipulada. Questionada se há uma idade mais indicada para dar o cartão, a entrevistada ponderou: “Tudo depende muito do grau de maturidade de cada. A marca de 2,9 BI - Este é o número de transações realizadas com cartões de débito e crédito 17% Percentual de jovens entre 18 e 24 anos que utilizam o cartão de crédito no País.